Estrelas azuis

| domingo, 10 de outubro de 2010 | |
Desde muito cedo eu tentei me igualar a eles
Nunca consegui, mas cheguei perto
As estrelas azuis eram sempre minhas
Mas eu nunca consegui realmente

No silêncio eu me machucava e eles me gritavam por outro nome
E quando eu chegava em casa, em um dia sem asas
Tudo o que eles queriam era o céu que não completei
E a única estrela em minhas mãos perdia o brilho que tanto me encantou

Quando se é muito diferente
Tudo pelo o qual você respira é a recompensa desse mal

E crescendo nada mudou
Apenas as noites ficaram mais longas
E a escuridão um pouco mais escura
E quando se passavam cinco minutos da meia-noite
Nenhuma luz podia resgatar o que me foi perdido

E por saber que eu nada poderia fazer para resgatar o amanhecer
Eles gritavam e me faziam sangrar
Com os olhos fechados, eu procurava a recompensa desse mal.

0 comentários:

Postar um comentário