Quadro verde

| quinta-feira, 17 de abril de 2014 | |
Todas as manchas se minguaram diante de mim – eis a magia!
Movendo-se como as nébulas no alto das árvores
Invisíveis por natureza, estavam verdes por uma questão de proximidade
E próximo, eu, estava do querer das manchas

Ao dançarem, parecia que me queriam nu, de mente translúcida, de olhos de vidro
Sentado sobre o meu delírio, enxerguei-me em um ponto central
–– Era a língua das águas engolindo as águas
E a ventania se encontrava na sonolência

“Corram! Corram!”, diziam assim, as manchas
Mas de todos os homens e deuses – o que eu sou? – , só a mim cabia a maldição

Aos poucos, o que era completo foi se despedindo, dando-me as costas
Épocas chuvosas acabam aí, quando a neve consegue rabiscar a escura pedra
Até que a sede de antigas figuras nasce em terras inférteis.

0 comentários:

Postar um comentário